Quase o dobro do arroz produzido só com a metade da água na irrigação

Vamos tratar da nova agropecuária, do novo agronegócio, esse que já está em transformação, disruptivo, inovador e que nos leva ao futuro

Compartilhe

Receba nossa newsletter
Maio de 2015 Edição do Mês
José Luiz Tejon Megido

Diretor e vice-presidente de Comunicação do Conselho Cientifico para a Agricultura Sustentável (CCAS), dirige o núcleo de agronegócio da ESPM e é comentarista da Rede Estadão.


Uma revolução, um exemplo do novo agronegócio de sustentabilidade intensiva. Vamos tratar da nova agropecuária, do novo agronegócio, esse que já está em transformação, disruptivo, inovador e que nos leva ao futuro. Tem gente fazendo coisas geniais que serão, em não mais do que três a cinco anos, a moda geral desse novo agronegócio de sustentabilidade intensiva. Os conhecimentos estão disponíveis no que existe: é gente, pessoas especiais que pegam e fazem.

Um exemplo sensacional eu conheci dias atrás. Imagine que o arroz irrigado é uma lavoura que exige uma verdadeira engenharia de hidráulica. Altíssimo consumo de água. A média da produção do melhor arroz irrigado brasileiro, do Rio Grande do Sul, apresenta 7.500 kg por hectare e consumindo 11.500 m3 de água.

Pois bem, um jovem inovador, o Marlon Marques, agrônomo e sócio de uma das maiores lavouras de arroz da América do Sul, produz 13.500 kg por hectare, quase o dobro da média brasileira, e com apenas 50% da água.  Ele utiliza irrigação por gotejamento e com isso não precisa alagar toda a área, tirar a água de toda a área, e ainda mais, ele pode fazer na mesma área plantio direto de arroz e pode produzir outros grãos, como milho e soja, o que aumenta a segurança dos produtores, com a diversificação, além do modelo de sustentabilidade intensiva. Esse modelo reduz o custo, o desembolso em 30%, e permite preparar, plantar e colher cada hectare de arroz em apenas duas horas, contra oito horas de uso de máquina no modelo convencional.

Enquanto alguns olham no lado crítico da crise, outros olham na criatividade. É preciso tirar o “S” da crise. Crie! Parabéns, jovem Marlon, um verdadeiro especialista em produção de arroz irrigado.

Sobre o CCAS -  O Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto. O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico. Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.

 

Notícias Relacionadas